Pallets e segurança andam juntos

Quando caminhamos por um ambiente de depósito, onde é possível observar espaços para estocar produtos, peças, um dos aspectos mais comuns que uma pessoa de fora observa é a sujeira existente no local. A alta movimentação existente no recinto faz com que o acumulo de pó e outros dejetos apareçam pelos corredores, causando essa sensação. Muitas empresas fazem um serviço de limpeza, mas a maioria sequer observa com maior detalhamento esse ponto.

Em momentos de auditoria, essas atitudes discorrem com maior frequência. Mas após esse evento, dificilmente há um programa capaz de eliminar esse ruído. Várias companhias já foram processadas, por colaboradores, devido ao alto índice de acidentes que essa sujeira pode ocasionar. Na maioria dos casos, uma sujeira que aparenta simplicidade, tem graus completamente distintos, principalmente no campo da segurança.

Nesse leque, outros pontos cabem uma avaliação mais criteriosa pelas companhias do ramo, como a falta de organização no estoque de materiais, não uso dos EPI’s corretos, falta de treinamento no manuseio de empilhadeiras, entre outros. Boa parte desses acidentes ocorrem por essas falhas, que são associadas a falha de observação, principalmente no recebimento dessas mercadorias. A falta de análise dos pallets que elas são colocadas.

Para boa parte dos casos, eles se encontram em estado deteriorável, saindo lascas, desgastados com a falta de cuidado ou o seu alto uso. Nesses espaços, caminhar entre pilhas de estoque é mais do que comum. E de repente, a pessoa deixa de observar um estrado quebrado, ou não verifica uma fagulha de madeira e ai o acidente ocorre. Em muitos casos são quedas e cortes volumosos, gerando um grande estresse nesse interim.

O número de afastamentos por conta disso chega a quase 3% anualmente em fabricas que trabalham com este composto. O tempo de absenteísmo alcançado por um funcionário com ferimento oriundo desse meio varia de 5 até 15 dias, gerando dois prejuízos a companhia, a perda de credibilidade e o afastamento do funcionário, ocasionando na perda de qualidade, devido à falta dele.

Ser focado, algo que não ocorre muito.

Pallets quebrados.

A observação em torno da qualidade dos pallets que estará sendo usado tem que ser feita com muita assiduidade pela companhia que o usa. Um material do gênero pode durar anos, dependendo do zelo aplicado nela. Muitas empresas não cuidam, diminuindo sua durabilidade, além de afetar outros aspectos, como qualidade do material e a garantia do mesmo para qualquer tipo de adversidade.

Boa parte das empresas que trabalham no ramo oferece vários certificados comprovando que o processo de manufatura aplicado em sua feição foi realizado dentro das normas vigentes. As companhias que não elucidarem esses detalhes devem ser deixadas de lado e inclusive denunciadas, pois elas desgastam o setor, aplicando produtos de baixa qualidade, que não segue as diretrizes do segmento.

Optar pelo barato, muitas vezes, não é um bom negócio. Evidentemente que a busca pelo equilíbrio em questionamentos como preço e qualidade deve ser angariado. Companhias que trabalham com admiração e respeito pelo cliente oferece essa junção, com tranquilidade e de forma clara, objetiva, sem maiores delongas. Porém, a característica principal que deve nortear sua aquisição é o tipo de material aplicado na confecção de um pallet e sua benfeitoria, visando o futuro.

Adaptações são fundamentais.

Pallet sendo arrumado.

Muitas corporações do ramo de pallets estão, cada dia mais, adaptando suas acomodações industriais para a efetivação de um modelo produtivo seguro, durável e firme. Todo esse processo está sendo sugerido pelas empresas que usam o material como base de sustentação na qualidade de uma peça, o que pode afetar toda uma linha produtiva, independentemente do ramo.

Um exemplo que podemos mencionar é referente a uma indústria automotiva. Para o carro sair 100% perfeito de uma linha de produção, é necessário que todo o seu processo ocorra de forma limpa e sem erros. Essa cadeia funciona desde a vinda dos fornecedores até o processo final de checagem do automóvel.

Agora imaginamos que os pallets que estão carregando uma caixa de peça estejam a ponto de quebrar, e no momento em que ele é colocado na área de estocagem, ele quebra. Além da perda de peças danificadas, a companhia terá que arcar com uma queda na sua produção por conta de tal ruído. No final das contas, a empresa que ficou responsável pelo transporte pagará o pato, tendo que repor o valor delas ou até rompendo contrato.

Para que isso não ocorra, a checagem do material é fundamental. Quanto mais zelo e assiduidade, melhor para a sustentabilidade da companhia, em questões como a sua credibilidade, respeito e admiração, das empresas que contrata seu serviço até os funcionários que trabalham nesse processo.

Botando ordem na casa

Quem não gosta de casa arrumada e limpa? Ninguém em são consciência consegue achar uma casa desarrumada e suja mais confortável e aconchegante, não é? E isso não é bobagem. Viver em um lugar onde as coisas estão constantemente desarrumadas, foram do lugar, deixadas num canto com aquela cara de “depois arrumo isso” pode ser psicologicamente perturbador pois a sensação trazida por um cenário assim é muito ruim. A desordem visualizada constantemente acaba desorganizando também nossas ideias, nossa mente (sim, isso acontece!) e isso traz reflexos em nossa produtividade, tanto nos estudos quanto na vida laboral. O rendimento cai, o chefe briga, o nervosismo aumenta, o rendimento cai mais ainda… e a coisa vira uma bola de neve – só porque a casa está desarrumada há tempos.

Assim também acontece com o comércio, mas a “mecânica” do problema é um pouco diferente. Imagine entrar em um mercado onde nada parece estar no lugar certo: o chão está sujo como se não visse uma vassoura há semanas, os sacos de laranjas estão com rasgos e algumas das frutas já estão rolando pelo chão; as caixas de cereais ainda estão sobre os paletes de madeira que as comportaram dentro do caminhão, e ainda estão embaladas no filme plástico que as une; os sacos de açúcar também estão os paletes, ainda, e alguns acabaram se rasgando e despejando parte do conteúdo no chão, atraindo algumas formigas. Com isso tudo misturado, você pode imaginar que o odor do lugar não deve estar lá dos melhores…

Clientela fugiu

Pois é. Num lugar assim, quase não vemos clientes, não é? A menos que esse seja o único mercado próximo – e o outro que estiver mais perto esteja a muitos quilômetros de distância! Na verdade, há quem prefira procurar por este mais distante, se ele (o outro mercado) for organizado e limpo o suficiente.

desorganizacao-de-estoquePode parecer um exagero, mas a figura que pintamos acima não é assim tão rara de se encontrar. É muito comum encontrarmos pequenos mercadinhos de bairro com características assim: de desleixo, falta de zelo e de limpeza. Na verdade, isso acontece, principalmente, porque o proprietário não se preocupa com a aparência, julgando que o importante para o cliente é apenas o preço. Como mercadinhos assim normalmente não têm o preço mais baixo devido ao estoque menor… nem isso eles têm a oferecer. Aí é que surgem as pequenas excursões de clientes para o centro da cidade ou mercados maiores em cidades vizinhas, onde o estoque é maior, provocando uma baixa nos preços, e a organização e higiene são mais bem cuidados.

Tudo em seu lugar

Por isso é que é sempre – SEMPRE – importante manter o lugar em ordem. Não se pode ter preguiça de tirar os produtos dos paletes e organizá-los adequadamente nas prateleiras (tomando cuidado, inclusive, para não colocar alimentos e material de limpeza e higiene na mesma arara).

paletes-de-madeira-controle-de-organizacaoO ambiente deve ser limpo periodicamente, e esse espaço de tempo não pode ser longo: limpeza DIÁRIA, sim senhor. É muito importante que sempre tenha alguém responsável pela limpeza durante todo o período de funcionamento do lugar. Se notar que um lugar ficou sujo (pés de clientes com barro, poeira trazida pelo vento, produto que vazou, etc.), a vassoura e o pano úmido devem entrar em ação imediatamente. Do contrário, a sujeira pode atrair insetos e animais como ratos e escorpiões. E que proprietário vai querer esses animais em seu mercado, colocando a saúde dos clientes – e a sua própria – em risco?

Tão importante quando a variedade de produtos e o preço é o ambiente em que eles são comercializados.